segunda-feira, 27 de abril de 2009

Tudo que foi... (skip this one, too)

Tudo o que é sólido se desfaz em pleno ar, ou no original: "All that is solid melts into air, all that is holy is profaned, and man is at last compelled to face with sober senses, his real conditions of life, and his relations with his kind."
Me pergunto se todos temos que passar por isto. Ou, somente alguns com a marca na testa desde antes de nascer? Ou então; que fazemos se nem todos passarem por isto? Qual a vantagem desta separação, diferenciação? Traio a mim mesmo se, desesperadamente, tento voltar ao meu estado natural primitivo? Lançar-me ao vazio e esperar que, seja lá o que for encontrar será benéfico ou satisfatório, é uma temeridade que passei a vida toda sendo treinado para não fazer.
Mas, o salto já aconteceu. O impulso positivo está chegando ao fim. Estou próximo ao "0" duma hipérbole de segundo grau. Se é que já não passei dele.
Não sou, e nem me sinto, uma Fênix para no fogo me desfazer e das cinzas retornar. Isso é romântico, sonho d'uma adolescente totalmente desligada da realidade. Isso non existe! diria o Quevedo.
Se o desconforto é a consciência da mudança, então porque não mudo logo de uma maldita vez?
Quase tudo que toco definha. Estou aprendendo a uma velocidade lesmal. E o pouco que achava saber, não funciona mais. Minhas certezas perdem consistência a olhos vistos.
Dylan Thomas vem à mente: "Do not go gentle into that good night, etc."
...
Enquanto Peza dizia:
"...
El carnaval del mundo engaña tanto,
que las vidas son breves mascaradas;
aquí aprendemos a reír con llanto,
y también a llorar con carcajadas.
..."