sexta-feira, 20 de março de 2009

Voglia

Será que sou eu ou vocês também percebem como somos irracionais?
Não sabemos o que queremos, às vezes temos uma idéia confusa do que seja. Tem gente que passa a vida toda rezando para falar com Deus e quando Este decide dignarse a responder, a pessoa é tratada como louca pelos outros.

Não somos capazes de perceber o quanto nossas, mais infimas, ações influenciam o meioambiente em que vivemos. E, depois nos assombramos quando chuvas, secas, fogos e frios extremos nos assolam.

Parecemos crianças abandonadas numa loja de doces e brinquedos.
Por exemplo: na terça feira passada, às 15:40h, caia uma "amostra grátis do dilúvio" aqui em SP, eu voltava de uma reunião cujos resultados se mostravam muito interessantes. Com um sorriso que, para o espectador menos avisado, pareceria muito com o deleite estásico d'um masoquista empedernido. À medida que me acercava do centro da cidade a chuva ia piorando e o trânsito também.

Fiz várias tentativas infrutíferas de atravessar o centro; um tunel e uma passagem inundados atrapalhavam os caminhos mais curtos. Isso, já por volta das 18:00h. O trânsito não colaborava muito. Virou um Deus nos acuda, ninguem respeitava sinal ou tamanho. Graças a Deus, após passar o Vale do Anhangabaú, as coisas melhoraram bastante. Até o trânsito parecia o de uma outra cidade. Não teria me surpreendido em nada se, de repente, um sol de verão tivesse aberto a força a cobertura das nuvens.

Só lamento ter perdido a aula no curso de pós-graduação.